Os grandes do Jazz
(Ed. Del Prado) nº.29, p.7

Confira:

Instrumentos
Trompete
Voz

Estilos
Cool

Artistas relacionados:

Charlie Parker
Dizzy Gillespie
Gerry Mulligan
Miles Davis
Stan Kenton

Visite:
www.chetbaker.net

Chet Baker (1929-1988)
>trompete, voz

Figura mitológica do jazz, em grande parte por fatores extra-musicais, o que não significa que sua música não seja extraordinária, Chesney (Chet) Baker nasceu em Oklahoma e foi criado em um subúrbio de Los Angeles, Califórnia. De seu pai, guitarrista amador de bandas de coutry, além de herdar o nome herdou também o amor pela música; foi ele quem lhe deu um trompete quando fez treze anos, para que pudesse entrar para a banda do colégio. No entanto não era muito dado a estudar música. Costumava dizer que sempre se safou por ter excelente ouvido.

Aos dezessete anos sai da escola e, acrescentando um ano em seus documentos, entra para o exército, onde em pouco tempo é transferido para Berlim tocando na banda. É nesse período de pouco mais de um ano na Europa que ouve jazz pela primeira vez, através de discos de Stan Kenton e Dizzy Gillespie transmitidos pela rádio do exército. Ao sair do exército ameaça voltar aos estudos, mas logo abandona seus estudos de teoria musical no El Camino College e vaga por Los Angeles ouvindo Miles Davis, Fats Navarro e participando de jam sessions tarde da noite.

Sem motivo aparente decide se realistar no exército. Volta a tocar na banda militar, porém algum tempo depois é transferido para o deserto do Arizona, o que não era exatamente o lugar ideal para grandes farras. Entediado, deserta e volta para o agito de Los Angeles. Algum tempo mais tarde, tentou se alistar mais uma vez, e fizeram-no passar por testes psiquiátricos que o classificaram como mentalmente inapto para servir.

Chet Baker estava se apresentando regularmente por Los Angeles quando ficou sabendo, por seu empresário, que Charlie Parker estava à procura de um trompetista para acompanhá-lo em sua turnê pela costa oeste e Canadá. Foi correndo para o Tiffany´s Club onde o sax alto estava fazendo a audição. A sessão terminou quando Parker ouviu o trompetista, então com 22 anos. Baker tinha grande afeição por Charlie Parker, por sua gentileza, honestidade e pela maneira como protegia os músicos da banda, tentando mantê-los longe da heroína (que tanto lhe corroía) e arrumar-lhes, com os gerentes de clubes, algum dinheiro extra pelas apresentações. O jovem trompetista costumava levar Parker para cima e para baixo em seu automóvel, já que o pai do bebop não era muito afeito ao volante.

Em 1952, quando Gerry Mulligan começou a formar seu famoso quarteto sem piano, escolheu Baker, com quem já havia tocado em jam sessions, para dividir a frente do palco. A formação foi um sucesso incrível e se apresentou em clubes lotados por cerca de um ano, antes de Mulligan pegar noventa dias na prisão por posse de heroína. Com a saída de Mulligan, Baker convidou para substituí-lo o pianista Russ Freeman. Viajaram pelos EUA com grande sucesso, e nessa época Chet Baker começou a ganhar prêmios nas revistas especializadas. Após discussões envolvendo dinheiro o quarteto se desfez e Baker seguiu para a Europa, encontrando terreno fértil para sua música; a turnê ia bem até a morte do pianista de 24 anos, Dick Twardzik, por overdose. Sozinho, permaneceu na Europa tocando com músicos de todos os níveis.

De volta aos EUA, começou a consumir heroína e a ser preso; sem uma autorização para tocar em lugares que servissem bebidas, resolveu voltar para a Europa. Vive e toca na Europa pelos próximos quatro anos, sediado na Itália, onde também é preso por drogas. Casa-se e tem um filho.

Em 1964 volta novamente aos EUA, agora dominados pelo rock dos Beatles, restando pouco espaço para os músicos de jazz. Isso o leva a gravar discos comerciais de baixo valor artístico. Nessa mesma época perdeu diversos dentes em conseqüência de um briga acerca de uma negociação de heroína. Foi obrigado a praticamente abandonar o instrumento de 1970 a 1973, quando tenta retomar sua carreira. Em viagem pelo Colorado para visitar um velho amigo, ouve Dizzy Gillespie tocar em um clube. Foi o início do seu retorno. Quando Gillespie ficou sabendo do esforço de Baker para voltar à cena, ligou para o gerente do famoso Half Note Club, arrumando-lhe uma temporada de três semanas em Nova Iorque.

Chet Baker foi o músico cool por excelência, não só musicalmente, sendo um dos pais daquele estilo, como também na atitude de calculada indolência, que se tornou famosa. O jeito "cool", porém, escondia na realidade um temperamento esquentado. A devastadora dependência de drogas fez com que durante décadas Chet se visse num labirinto infernal de crises pessoais, contratos interrompidos, brigas, internações e prisões. Sua aparência sofreu ao longo da vida uma transformação impressionante, devido ao uso de heroína e suas conseqüências. O outrora belo e jovem trompetista aos quarenta anos parecia estar com sessenta, e aos cinqüenta parecia beirar os oitenta.

Milagrosamente, o gênio musical de Chet parecia se manter intacto mesmo com tudo isso, como atesta a sua discografia surpreendentemente vasta. Além de ser um mestre do trompete, com uma sonoridade etérea e sem vibrato que se aproximava da de Miles Davis, usando poucos agudos e preferindo os tempos lentos e as atmosferas melancólicas, Chet também gostava de cantar, com uma voz pequena e frágil que às vezes evoca Billie Holiday


(V.A. Bezerra, 2001)



 

AMANHÃ

Sérgio Galvão
Casa do Núcleo

Sérgio Galvão
Casa do Núcleo

Sérgio Galvão & grupo
Casa do Núcleo

QUINTA 24.7

Araticum
Casa do Núcleo

Camila Eisenmann Trio
All of Jazz

SEXTA 25.7

Duo Calavento
Casa do Núcleo

Milton Felix Quintet
All of Jazz

SÁBADO 26.7

"Un Homme...Une Femme"
All of Jazz