Ejazz – o site do jazz e da música instrumental brasileira
Ejazz – o site do jazz e da música instrumental brasileira
 
Estilos
 
New Orleans | Swing | Bebop | Hard bop | Cool | West Coast | Free | Fusion | Latin Jazz | Third Stream | Jazz Brasileiro
West Coast

O baterista Shelly Manne costumava apresentar seus músicos assim: “No sax alto, Frank Strozier, de Memphis, Tenessee. Ao piano, Russ Freeman, de Chicago, Illinois. Nosso trompetista é Conte Candoli, de Mishawaka, Indiana. No contrabaixo, Monte Budwig, de Pender, Nebraska. E eu sou Shelly Manne, da cidade de Nova Iorque. Nós tocamos West Coast jazz”...

A blague de Manne, que também foi usada por Stan Getz (registrada no disco Line for Lyons, com Chet Baker), mostra que chamar um determinado estilo de “jazz da costa oeste” pouco ou nada tinha a ver com a localização geográfica. É verdade que no final dos anos 40 e nos anos 50 fazia-se muito jazz em Los Angeles, em particular por músicos que trabalhavam para os estúdios de Hollywood. Na melhor das hipóteses, portanto, a música que faziam deveria se chamar “Los Angeles Jazz”... Mas será que isso basta para definir um estilo musical? Parece muito pouco. Para caracterizar o West Coast jazz é preciso buscar algum outro elemento comum, mais profundo.

Deixando de lado a questão da propriedade ou impropriedade do nome, o que mais foi apontado para caracterizar o West Coast Jazz? Existem aqui alguns equívocos persistentes e algumas verdades. É verdade que se trata de um estilo de jazz que provém, em certa medida e em linhas muito gerais, do cool. Mas é falso que, como já foi afirmado por muitos o West Coast seja: (1) um “jazz de brancos” apenas; (2) um jazz sem swing; (3) um estilo coeso e bem definido. Para desarmar a primeira afirmação, basta lembrar de diversos músicos negros que atuaram no West Coast; a segunda afirmação cai por terra quando se observa que muitos tinham por inspiração o estilo vigoroso de mestres como Ben Webster, Coleman Hawkins, Dizzy Gillespie, Charlie Parker e Bud Powell; quanto à terceira, os estilos individuais abrangiam um espectro bastante variado, indo desde o quase cool até o quase free, passando pelas influências bebopistas e pelas experiências classicistas a la Third Stream.

O fato é que a melhor maneira de definir o West Coast acaba sendo mesmo a simples enumeração de seus expoentes, mais do que a aplicação de algum critério estético bem definido. As fileiras do West Coast incluíam, entre outros, os trompetistas Shorty Rogers e Conte Candoli, o contrabaixista Eddie Safranski, o baterista Shelly Manne e o saxofonista e clarinetista Jimmy Giuffre. Também se destaca o pianista Lennie Tristano, que se tornou cult - efetivamente um musician's musician (músico para os músicos) - com sua música sofisticada e experimental, que oscila entre o cool e o quase free

.

(V.A. Bezerra, 2001)

EXPOENTES
Lennie Tristano
 
o jazz | artistas | estilos | instrumentos | obras primas | festivais | ao vivo | lançamentos | livros
agenda sp | agenda cidades | rádio & tv | notícias | entrevistas | contato