Ejazz – o site do jazz e da música instrumental brasileira
Ejazz – o site do jazz e da música instrumental brasileira
 
 
glossário do jazz

a b c d e f g h i j l m n o p q r s t u v

elementos fundamentais | história do jazz
 

A

Acorde - s.m. 1. Agrupamento de notas tocadas simultaneamente

Andamento - s.m. 1. A velocidade de execução de uma peça.

Arranjo - s.m. 1. A distribuição e ordem de execução do material sonoro de uma composiçao pelos diversos executantes. 2. Remontagem, com variados gruas de liberdade, dos elementos de uma composição pré-existente, preservando a identidade da peça mas dotando-a de um caráter diferente.

Atonal - adj. 1. Que não obedece aos princípios da tonalidade

B

Beat – [Inglês] 1. A pulsação básica de uma música.

Blues – [Inglês] Forma musical introduzida na música norte-americana no início do século XX, deriva das canções dos trabalhadores negros americanos (work songs). O blues constitui uma das estruturas essenciais do jazz. O blues possui uma estrutura praticamente inalterável de 12 compassos, assim constituídos: quatro compassos sobre o acorde de tônica (por exemplo, Mi Maior), dois compassos sobre o acorde de subdominante (no caso, Lá Maior), dois compassos sobre a tônica (Mi Maior), dois compassos sobre o acorde de sétima de dominante (Si com 7a) e finalmente dois compassos sobre o acorde de tônica (Mi Maior). No blues mais moderno e/ou elaborado, admitem-se certas liberdades harmônicas, por exemplo, nos acordes de passagem. As melodias do blues utilizam uma escala especial, derivada da escala maior, onde a terceira, a quinta e a sétima notas são abaixadas em meio tom (as chamadas blue notes).

Break – [Inglês] 1. Durante a execução de uma peça, momento em que todos os integrantes do conjunto param de tocar, exceto um deles, que executa um solo.

C

Cabeça – s.f. 1. O início da frase musical correspondente ao tema. 2. O primeiro tempo de um compasso.

Chorus – [Inglês] Um percurso completo através da progressão de acordes de um tema.

Combo – s.m. 1. Conjunto menor do que uma orquestra.

Compasso – s.m. 1. Unidade de organização rítmica de uma composição, composta por um número definido e usualmente pequeno de tempos. O compasso é delimitado na partitura por barras verticais. 2. Especificação, feita no início de uma partitura, por meio de um código numérico convencional, do número (2, 3, 4, etc) e do tipo de notas (colcheia, semicolcheia, semínima, etc) que os compassos irão comportar. O compasso especificado costuma permanecer fixo durante um período de tempo razoavelmente longo dentro de uma peça, porém na música mais moderna isso nem sempre ocorre.

Contraponto – s.m. [Do latim punctus contra punctum, nota contra nota.] 1. Encadeamento lógico de diferentes linhas musicais simultâneas. O contraponto se caracteriza por um processo de geração de novas frases musicais a partir de outras frases musicais, utilizando técnicas como a inversão (troca das notas graves por agudas e vice-versa), a retrogradação (cópia de uma frase de trás para a frente), e a transposição (elevação ou abaixamento de todas as notas de uma frase por um intervalo constante).

E Embocadura – s.f. 1. A posição da boca ao soprar o ar num instrumento de sopro.
F

Forma – s.f. 1. A estrutura de uma composição musical. 2. O padrão de seções semelhantes e contrastantes que compõem a estrutura básica de uma peça. Entre as formas comuns no jazz incluem-se a estrutura de 32 compassos (8+8+8+8), como AABA ou ABAC; a melodia de 16 compassos; e o blues de 12 compassos.

Fusion – [Inglês] Estilo de jazz derivado do jazz-rock, executado principalmente com instrumentos eletrônicos. Diferentemente do jazz-rock do final dos anos 60 e início dos anos 70, o jazz fusion caracteriza-se por uma aproximação com a música pop, e por ser baseado em um certo número de fórmulas comercialmente bem-sucedidas.

H Harmonia – s.f. 1. A combinação de notas em acordes e progressões de acordes. 2. Conjunto de regras práticas que regem a organização dos acordes de uma peça segundo os princípios da tonalidade.
I

Improvisação – s.f. 1. Criação musical realizada no próprio momento da execução. A improvisação não é predeterminada nem codificada previamente em partitura, exceto por uma melodia que serve de tema.

Introdução – s.f. 1. Uma seção que é executada antes da exposição do tema de uma peça. A introdução deve combinar com o tema que se lhe segue e pode ser usada para definir o caráter de toda a execução.

J Jam session – [Inglês] 1. Reunião informal de músicos para tocar entre si, com ênfase na improvisação, sem ter necessariamente a preocupação de tornar a execução comercialmente viável ou palatável para o grande público.
L Loop, Looping – [Inglês] A repetição continua de uma frase musical, à qual outros materiais sonoros podem ou não ser superpostos. Trata-se de um procedimento comum particularmente na música eletrônica.
M

Mainstream – [Inglês] Termo abrangente usado para fazer referência a todo o jazz excetuando-se o free jazz e o jazz-rock ou fusion.

Modal – adj. 1. Que é baseado nos modos.

Modo – s.m. 1. Uma série de notas que deriva de uma escala básica, começando e terminando com uma nota diferente na nota de origem da escala, resultando em um conjunto diferente de intervalos e um centro tonal diferente, criando um estado perceptivo e psicológico diferente. Exemplo: o segundo modo da escala de Si Bemol Maior (Si Bemol, Dó, Ré, Mi Bemol, Fá, Sol, Lá, Si Bemol, etc) é o Dórico (Dó, Ré, Mi Bemol, Fá, Sol, Lá, Si Bemol, Dó).

Mute – [Inglês] 1. Surdina utilizada juntamente com instrumentos de sopro de metal.

N Noneto – s.m. 1. Conjunto musical formado por nove executantes. 2. Peça composta para essa formação.
O Oitava – s.f. 1. Intervalo de altura (freqüência) entre uma nota e sua repetição doze semitons acima (ou abaixo). O intervalo de oitava corresponde à multiplicação (ou divisão) da freqüência original da nota por 2.
P

Partitura. - s.f. 1. Registro da música por escrito, usualmente em papel ou em documentos de formato eletrônico, utilizando-se uma notação especial e determinadas convenções de escrita.

Polifonia – s.f. 1. A superposição de duas ou mais linhas melódicas, todas com igual importância relativa. A polifonia freqüentemente se vale do contraponto.

Polirritmia. - s.f. 1. Simultaneidade de ritmos ou compassos contrastantes.

Politonal – adj. 1. Que é caracterizado por politonalidade.

Politonalidade – s.f. 1. Simultaneidade de diferentes tonalidades.

Q

Quarteto – s.m. 1. Conjunto musical formado por quatro executantes. 2. Peça composta para essa formação.

Quinteto – s.m. 1. Conjunto musical formado por cinco executantes. 2. Peça composta para essa formação.

R

Ragtime – [Inglês] Estilo de música norte-americana para piano, muito popular no final do século XIX e início do século XX. O ragtime possuía caráter sincopado, não era improvisado, e era normalmente escrito em partitura. O nome vem do termo inglês ragged, que significa áspero, desigual, dissonante – como costumava ser o fraseado da mão direita sobre o teclado.

Ritmo – s.m. 1. O padrão de pulsação de uma peça musical. 2. Compasso (2).

S

Seção rítmica – s.f. 1. Os instrumentos que, num conjunto de jazz, são responsáveis pelo estabelecimento e manutenção do padrão rítmico da execução; convencionalmente, compõe-se de piano, contrabaixo e bateria.

Samplear – [Neologismo] v. 1. Ato de capturar e registrar digitalmente sons, frases musicais ou timbres sonoros, por meio de um sampler, com o propósito de manipulá-los e recombiná-los.

Sampler – [Inglês] 1. Dispositivo capaz de capturar e registrar sons, frases musicais ou timbres sonoros em formato digital.

Scat singing, Scat – [Inglês] Modo de interpretação vocal em que o(a) vocalista emite sílabas sem sentido, em vez da letra da canção, atentando apenas para o valor fonético das sílabas e procurando imitar um solo instrumental.

Septeto – s.m. 1. Conjunto musical formado por sete executantes. 2. Peça composta para essa formação.

Sequenciador – s.m. 1. Dispositivo capaz de registrar padrões sonoros em formato digital, e que oferece ferramentas para editar, modificar e recombinar esses padrões.

Sexteto – s.m. 1. Conjunto musical formado por seis executantes. 2. Peça composta para essa formação.

Síncopa – s.f. 1. A acentuação de contratempos, ou seja, os tempos fracos do compasso, criando um efeito de surpresa no ouvinte.

Sincopado – adj. 1. Que é caracterizado por síncopa.

Solo – s.m. 1. Execução de uma peça musical ou parte de uma peça por um único instrumento. 2. Execução de uma peça musical ou parte de uma peça musical por um instrumento em destaque, acompanhado por outro(s). 3. Seção de uma peça em que um executante improvisa sobre o tema, sozinho ou, mais freqüentemente, acompanhado por outros instrumentos.

Standard – [Inglês] 1. Canção popular já consagrada e familiar ao público, usada com tema para uma execução jazzística. 2. Canção que ao longo do tempo veio a fazer parte do repertório padrão (em inglês, standard) do jazz. Certos compositores escreveram diversas canções que se tornaram standards: por exemplo, George Gershwin, Richard Rodgers, Oscar Hammerstein.

Swing – [Inglês] 1. Modo de execução musical tipicamente jazzístico, no qual as notas têm sua duração ligeiramente reduzida e seu ataque efetuado fora do tempo por um fator quase imperceptível, resultando em um significativo aumento da flexibilidade e vitalidade da música. 2. Propriedade de uma execução jazzística individual ou coletiva que produz um tipo característico e bem conhecido de resposta psicológica e muscular no ouvinte, que no entanto desafia definição precisa. 3. Estilo de jazz popular nos anos 30 e 40, caracterizado por arranjos muito bem elaborados para grandes orquestras.

T

Tema – s.m. 1. Melodia que é usada como base de uma execução jazzística.

Tempo - s.m. 1. Unidade de duração dentro do compasso. 2. Andamento.

Tessitura – s.f. 1. O intervalo de altura (freqüência) que existe a nota mais grave e a nota mais aguda de uma frase ou de uma peça musical. 2. O intervalo entre a nota mais grave e a nota mais aguda que podem ser emitidas por um certo instrumento.

Tonal – adj. 1. Que obedece aos princípios da tonalidade.

Tonalidade – s.m. 1. Acorde fundamental que funciona como centro de atração harmônica de uma frase ou composição musical, e que define certas progressões-padrão de acordes. 2. Conjunto de princípios que governam a organização harmônica do material sonoro segundo conceitos como consonância, escalas maiores e menores, e cadências; harmonia tonal.

U Uníssono – s.m. 1. Escrita ou execução de uma frase musical de maneira exatamente idêntica por dois ou mais instrumentos, na mesma tonalidade e na mesma oitava.
V Virtuose – s.m. 1. Instrumentista que possui técnica altamente desenvolvida e profundo domínio dos recursos de seu instrumento.

 

 

 


apoio cultural

 

agenda SP


HOJE

Natalia de Barros

All of Jazz

AMANHÃ

Paulo Tozzi Trio

All of Jazz

DOMINGO 27.4

Duo Violeta

Teatro do SESI – São Paulo

Baile dos Wernecks

All of Jazz

SEGUNDA 28.4

Septeto S. A.

São Cristovão Bar e Restaurante

agenda cidades

 

Confira
 

Gerry Mulligan

Sax barítono - piano + arranjos + improviso + muito swing: uma equação levada à perfeição.

 

New Orleans

O estilo clássico, amado por tantos, no qual despontaram os primeiros grandes solistas do jazz.

 

Bateria

De mero marcador de tempos a condutor do discurso musical, uma trajetória cheia de ritmo.

 

o jazz | artistas | estilos | instrumentos | obras primas | festivais | ao vivo | lançamentos | livros
agenda sp | agenda cidades | rádio & tv | notícias | entrevistas | contato