Ejazz – o site do jazz e da música instrumental brasileira
Ejazz – o site do jazz e da música instrumental brasileira
 
 
artigos


Kind of Blue

Miles Davis, trompete
Julian "Cannonball" Adderley, sax alto; John Coltrane,
sax tenor; Bill Evans (Wynton Kelly), piano; Paul Chambers, contrabaixo;
(Columbia, 1959)


texto de contracapa de King of Blue

IMPROVISAÇÃO NO JAZZ
Bill Evans

Existe uma arte visual japonesa na qual o artista é obrigado a ser espontâneo. Com um pincel especial e tinta preta, ele deve pintar sobre um fino pergaminho esticado, de tal maneira que uma pincelada não natural ou interrompida virá a destruir a linha ou romper o pergaminho. Apagar ou fazer modificações é impossível. Tais artistas devem praticar um tipo especial de disciplina, que permite que a idéia se expresse na comunicação com as mãos de modo tão direto que o pensamento não interfira.

Os quadros que resultam não possuem a composição complexa e as texturas da pintura usual, mas diz-se que aqueles que olham bem encontram algo capturado ali que desafia explicações.

Acredito que essa mesma convicção, de que a ação direta constitui a reflexão mais significativa, impulsionou a evolução das disciplinas extremamente severas e únicas do jazzista ou do músico improvisador.

A improvisação em grupo coloca um desafio a mais. À parte o problema técnico de pensar coletivamente de modo coerente, existe a necessidade muito humana, social até, de que a simpatia por parte de todos os integrantes se coadune em prol de um resultado comum. Penso que esse difícil problema é lindamente abordado e solucionado nesta gravação.

Assim como o pintor precisa do referencial da tela, o grupo de improvisação musical precisa de um referencial no tempo. Miles Davis apresenta aqui referenciais que são de suma simplicidade, e contudo encerram tudo aquilo que é necessário para estimular a execução, preservando a referência à concepção inicial.

Miles concebeu esses esquemas apenas algumas horas antes das sessões de gravação, e chegou com esboços que indicavam ao grupo o que deveria ser tocado. Portanto, nestas execuções você irá escutar algo que está próximo da pura espontaneidade. O grupo nunca havia tocado estas peças antes da gravação, e creio que, sem exceção, a primeira interpretação completa de cada uma foi tomada como um "take".

Embora não seja incomum esperar que o músico de jazz improvise sobre material novo numa sessão de gravação, o caráter destas peças coloca um desafio especial.

De maneira breve, o caráter formal dos cinco esquemas é o seguinte:

So What é uma figura simples, baseada em 16 compassos numa escala, 8 em outra e mais 8 na primeira, após de uma introdução de caráter ritmicamente livre com piano e contrabaixo. Freddie Freeloader é uma forma de blues de 12 compassos que ganha uma personalidade nova através de uma efetiva simplicidade melódica e rítmica. Blue in Green é uma forma circular de 10 compassos, que se segue a uma introdução de 4 compassos, e que é tocada pelos solistas com diversos aumentos e dimuinuições dos valores temporais. Flamenco Sketches é uma forma de blues de 12 compassos em 6/8, que gera seu clima através de umas poucas mudanças modais e da concepção melódica livre de Miles Davis. All Blues é uma série de cinco escalas, cada uma podendo ser tocada pelo solista durante o tempo que ele desejar, até que tenha completado a série.

 


 

agenda SP


HOJE

Jesper Hedegaard Trio & Alexandre Kraglund

Ao Vivo Music

Soundscape Big Band Jazz

Central das Artes

Dalio Sah Trio

All of Jazz

AMANHÃ


Sesc Vila Mariana

Hot Jazz Club

Sesc Vila Mariana

agenda cidades

 

Confira
 

César Camargo Mariano

 

Jazz Brasileiro

Música instrumental brasileira: um patrimônio cultural inestimável.

 

Sax Tenor

O líder de tantos conjuntos agressivos nos anos 80 e 90 também já foi um veículo do classicismo.

 

o jazz | artistas | estilos | instrumentos | obras primas | festivais | ao vivo | lançamentos | livros
agenda sp | agenda cidades | rádio & tv | notícias | entrevistas | contato